Encontros da Confraria

Encontros nas terceiras terças feiras do mês, na Do Arco da Velha Livraria e Café, das 19h às 20h30min..

terça-feira, 11 de novembro de 2014

O Escaravelho do Diabo


   No encontro de nº 60 da Confraria Reinações Caxias, o livro indicado foi um clássico da literatura juvenil brasileira "O Escaravelho do Diabo" livro esse que faz parte da coleção Vaga-Lume, coleção esta que reúne mais de 60 obras voltadas para o público infanto.
   O encontro foi coordenado pelo confrade Dangelo Muller.



Pensando sobre “O escaravelho do diabo”
Dangelo Müller*

O escaravelho do diabo”, de Lúcia Machado de Almeida, foi originalmente apresentado aos leitores como uma espécie de folhetim policial, publicado semanalmente na revista “O Cruzeiro”, nos idos de 1956. Porém, pode-se dizer que a obra ganhou fama a partir de sua publicação compilada na série Vaga-lume, em 1972, sendo produzidas desde então 27 edições. É interessante perceber que o texto da autora permanece o mesmo, sofrendo apenas eventuais alterações das reformas ortográficas. Referências aos bondes, à moeda corrente da época (1956) e mesmo aos costumes dão um “ar” semelhante ao dos filmes noir, com a peculiaridade de um cenário e personagens mais próximos do público leitor.
A história se passa em Vista Alegre, uma pacata cidade dos anos 50, que vive os primeiros momentos de uma eventual modernização. Há um hospital local, um zoológico, um teatro, ruas com iluminação e calçamento, ou seja, trata-se de uma cidade diferente da maioria das cidades brasileiras da época, constituindo o palco perfeito para o desenrolar da trama policial e misteriosa ao estilo de Agatha Christie.
Os personagens do conto podem ser divididos em três classes: os protagonistas, os eventuais suspeitos e as vítimas. Dentre os protagonistas, temos Alberto, o estudante de medicina, que se converte em um dos investigadores dos crimes e o Inspetor Pimentel, policial encarregado de averiguar os estranhos casos acontecidos em Vista Alegre; entre o rol de suspeitos temos Verônica, a estudante de música e hóspede da pensão de Cora O'Shea; Sr. Graz, um professor suíço de Línguas, amigo de Verônica e também hóspede de Cora O'Shea; Cora O'Shea, a irlandesa dona da pensão e mãe de Clarence O'Shea; Mr. Gedeon, um americano representante de uma indústria de próteses e também hóspede de Cora O'Shea; Sub-inspetor Silva, o ajudante do Inspetor Pimentel e de Alberto, aparece pouco no livro e Elza, a copeira da pensão.
As vítimas atacadas pelo “inseto” são Hugo, o "Foguinho", a primeira vítima e irmão de Alberto é assassinado com uma antiga espada espanhola cravada no peito; Clarence O'Shea, o filho de Cora O'Shea, que morre envenenado por uma cápsula de cianureto colocada entre seus remédios; Maria Fernanda, uma cantora lírica que é assassinada em meio a uma performance de "Carmen", de Bizet, atingida por uma seta envenenada; um galo-da-serra, ave de uma raça em extinção que é estrangulada até a morte e tem todas as suas penas cor de fogo arrancadas; Rachel Saturnino, a linda filha de um antiquário que se torna a única sobrevivente dos ataques do "inseto"; Padre Afonso, o padre da paróquia local, um homem inteligente e corajoso que morre carbonizado durante o incêndio em sua igreja e, por fim, Mr. Graz, que morre carbonizado junto com o Padre Afonso.

O enredo começa com a reação de Alberto à chocante morte de Hugo. O estudante, junto com o Inspetor Pimentel, chega até um antiquário e averigua sobre a natureza da espada. Lá, o rapaz encontra Rachel, uma ruiva estonteante que se torna seu primeiro interesse romântico na obra. Algum tempo depois da morte de Hugo, há um novo homicídio: Clarence O'Shea, um menino ruivo que é envenenado de forma inusitada na qual o assassino mistura um forte agente tóxico em meio aos medicamentos para gripe do rapaz. Alberto começa a fazer a ligação entre o fato de seu irmão e do jovem O'Shea também terem recebido um besouro pelo correio, como uma espécie de anunciação à sua futura morte. O Inspetor tenta apaziguar as suspeitas do jovem estudante de medicina, explicando que tal acontecimento pode ser meramente incidental. Ao investigarem a pensão de Cora O'Shea, Alberto e Pimentel conhecem Mr. Graz, Mr. Gedeon e Verônica.  Alberto apaixona-se por Verônica e, a partir deste ponto, fica dividido entre prosseguir com as investigações ou namorar com a moça.
Pouco tempo depois ocorre o assassinato de outra pessoa ruiva: a cantora lírica Maria Fernanda. Em pleno palco, ela é alvejada por um espinho envenenado, projetado por uma zarabatana. Toda incredulidade do inspetor cai por terra quando ele e Alberto descobrem que, pouco tempo antes, a cantora havia recebido um pacote com um besouro. O policial se vê obrigado a aceitar a terrível hipótese de que está envolvido em um caso marcado pela presença de um serial killer. Desse ponto em diante, Alberto decide que deve se dedicar ao máximo em colaborar com a investigação policial e acaba, mesmo que involuntariamente, afastando Verônica. O estudante de medicina e o inspetor começam a alertar, sem alarde, os ruivos naturais de Vista Alegre para que se previnam caso recebam o fatídico embrulho com o besouro. Na verdade, a tarefa é consideravelmente fácil, pois restaram apenas dois ruivos na cidade: a estonteante Rachel Saturnino e o Padre Afonso. Há, na verdade, mais um “ruivo natural” na cidade, e este é a quarta vítima do terrível “inseto” - como passa a ser designado o criminoso: o pobre galo-da-serra do zoológico. O animal é exterminado e tem todas as penas de cores flamejantes arrancadas, causando comoção na sociedade.
À medida que o tempo passa, o cerco se aperta em direção à pensão de Cora O'Shea, pois tanto o estudante quanto o investigador pressentem que há um vínculo entre os hóspedes e empregados com a figura do famigerado criminoso. Quando a quinta vítima, Rachel, sofre um brutal atentado e escapada da morte por mero acaso, Alberto confronta os moradores da pensão e, para sua insatisfação, todos possuem álibis. Verônica sente-se extremamente ofendida por ser alvo de suspeitas e, após comprovada sua inocência, decide viajar, deixando Vista Alegre – e Alberto – para trás. A onda de crimes finalmente se encerra com a morte de Padre Afonso, que encontra seu fim nas chamas de sua própria igreja, junto de seu amigo, Mr. Graz, que estava, aparentemente, se confessando.
Numa espécie de anticlímax, o investigador e Alberto encerram o caso sem descobrir quem era o terrível inseto, pois todos os ruivos da cidade foram vitimados e Rachel, a única sobrevivente, estava tão chocada que não pôde dar detalhes significativos ao desenvolvimento do caso.


A conclusão da obra se dá por acaso: muitos anos depois, viajando pela Alemanha, Alberto conversa com um amigo sobre a mulher de que nunca foi capaz de esquecer, Verônica, e lhe mostra uma fotografia dela. O homem se sobressalta e reconhece, junto à moça na foto, o louco foragido Rudolf Bartels. Naquele momento, Alberto percebe que Mr. Graz era, na verdade, um nome falso que Bartels utilizava. O agora médico descobre que Bartels, um pesquisador de renome internacional, fora arruinado por seu colega ruivo e, após matá-lo, teve uma crise psíquica que gerou uma espécie de dupla personalidade. Quando Mr. Graz encontrava algum ruivo, seu lado Bartels retornava, transformando-o em um assassino impiedoso. Alberto fica chocado e compartilha suas descobertas com os demais envolvidos no caso, incluindo Verônica. O final da obra se dá com o nascimento do filho de Alberto e de Verônica, oportunamente chamado de “Hugo”, a primeira vítima do “inseto”.

Alguns pontos interessantes

Lúcia Machado de Almeida apresenta uma obra pontuada por elementos significativos: temos a simbologia do ruivo, dos escaravelhos, da dupla personalidade, do destino e do aprendiz, entre outras.
Ao sistematizar uma espécie de luta entre “os ruivos” e “o inseto”, a autora retoma o motivo mítico do escaravelho e do sol, em que, segundo a wikipedia
os escaravelhos, com inscrições gravadas na sua carapaça, ou objetos com forma de escaravelhos, constituíam amuletos muito populares no Antigo Egito. Na mitologia egípcia, o escaravelho sagrado estava relacionado com deus Khefri, responsável pelo movimento do sol, arrastando-o pelo horizonte; no crepúsculo, o sol (ou o deus Rá) morria e ia para o outro mundo (representado pelo oeste); depois, o escaravelho renovava o sol no amanhecer.
Algumas etimologias egípcias associam ainda escaravelho à palavra KHEPER, um verbo que envolvia o significado de criar e/ou transformar, convertendo o escaravelho em uma espécie de símbolo do renascimento e bastante presente em sepulturas antigas. Desse modo, Bartels, a “encarnação” do escaravelho, persegue, “move” e “transforma” as pessoas ruivas, as quais, por sua vez, são representações encarnadas do próprio sol na obra. Pode-se perceber a ocorrência de várias facetas do “deus Sol” no Escaravelho do Diabo:
1.         Hugo, o foguinho: pode-se dizer que é o sol da manhã, rompendo o frio da noite e tornando-se cada vez mais forte e ardente;
2.         Clarence O'Shea: o menino fraco e apagado pode ser análogo ao sol nublado, sempre obscurecido pela figura de sua mãe ou do irmão, ou mesmo pelo sol poente;
3.         Maria Fernanda, a cantora lírica, pode ser entendida como o sol do meio dia, no ápice de seu vigor e força, na posição central do “palco cósmico celeste”;
4.         Rachel Saturnino encarna a vivacidade do sol das tardes, o calor das longas horas de modorra emaranhado em seus longos cabelos até a chegada do ocaso;
5.         O galo-da-serra é uma representação do próprio nascer do sol, cujas penas flamejantes são análogas aos raios solares que atravessam o longo espaço cósmico;
6.         Padre Afonso parece atuar como o sol do ser, ou seja, a iluminação interior, de aspecto espiritual que aproxima o homem das instâncias celestes.




            Reforçando o aspecto de combate/movimento solar, nota-se que os crimes de Bartels são secretos e ocorrem nas horas noturnas, longe do “Olho de Rá”, ou seja, do sol. Desse modo, o escaravelho move “os sóis” pelo espaço celeste do enredo, conduzindo os personagens ao ocaso completo: sua morte, praticamente inevitável.
            Ora a própria questão da dupla identidade de Bartels/Mr.Graz é a encarnação da duplicidade dia/noite, do ciclo claro/escuro. Nesse aspecto, Lúcia Machado resgata algo de Stevenson, com seu “o Médico e o Monstro” em que o pacato Mr. Graz torna-se o diabólico Rudolf Bartels ao contemplar o ruivo ou vermelho flamejante. O “duplo” de Mr. Graz é seu reflexo em um espelho moral, uma versão invertida de seu próprio ser gentil e franzino, ou, antes, uma retomada ao amargor de um Rudolf Bartels, cientista genial desmoralizado pelo destino. Assim, o real, expresso na figura insana do cientista, cria a imaginação de um novo eu, o pacato professor de Línguas, e o gatilho das cores cria o trânsito entre os polos da identidade do atormentado homem. A infelicidade de Bartels/Mr. Graz está em ser arrastado de sua imaginação de si mesmo pela realidade, imposta pelas cores. É a situação de que fala Cristina Martinho[1] citando Clément Rosset:
Quem recusa o real, tem seu retorno com juros, em virtude do antigo adágio estóico segundo o qual “o destino guia aquele que consente e arrasta aquele que recusa”[...] “Não se escapa ao destino” significa simplesmente que não se escapa ao real. O que é e não pode não ser. [...] O que existe é sempre unívoco: na borda do real, seja o acontecimento favorável ou desfavorável, os duplos se dissipam por encantamento ou maldição.
Frente às maquinações de Bartels, o estudante Alberto sempre se mostra insuficiente, perseguindo vestígios de pistas ou meras “sombras e vultos”. Configura-se, nas sombras, o duelo entre a sanidade do médico aprendiz e o cientista louco, em que o jovem persegue algo além de sua compreensão. Ora, Alberto, enquanto estudante pode ser entendido como um aprendiz ou ser cujos conhecimentos precisam ser apurados e depurados, sobrevivendo às provas que o adversário lhe impõe. Apenas quando torna-se, de fato e direito, médico, é que Alberto encontra a solução para a identidade do criminoso, ou seja, quando o iniciante cumpre os ritos e torna-se iniciado nos mistérios da vida e da morte, tudo passa a ser claro e o rapaz adquire uma espécie de “visão solar” de todo o mistério, tornando-se ele, Alberto, o próprio sol e renovando a vida com o retorno, ainda que apenas nominal, da primeira vítima do escaravelho: Hugo.

*Confrade e Mestre em Literatura.


[1]     MARTINHO, Cristina. ARTICULAÇÕES DO DUPLO NA LITERATURA FANTÁSTICA DO SÉCULO XIX. Disponível em:http://www.filologia.org.br/viicnlf/anais/caderno09-04.html Acesso em 16 set. 2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário